segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

O que é ser velho, ou ser novo? Qual a diferença?

Viver é um eterno aprendizado sobre tudo nessa vida, em questão de alguns anos mudamos muito do que fomos, do que achamos, mantemos algo de essência e valor entre uma coisa e outra, mas com certeza as mudanças ocorrem.
Falo por mim que sempre tive uma concepção bem diferente com relação aos meus filhos, principalmente com o que diz respeito aos relacionamentos futuros deles.
Por mais que eu tenha vivido toda a fase de namoro com eles, eu sempre ''sonhei'' para eles o tipo de relacionamento perfeitinho....sim minhas queridas, eu, ha uns anos atras, nunca, jamais aceitaria menos que o ''perfeitinho'' pros meus filhos, e podem dar a isso o nome que quiserem, amor, zelo, mas eu prefiro chamar hoje de uma grande bobagem.
Porque com o primeiro namoro do meu filho mais velho que se encaixava perfeitamente no perfeitinho que sempre sonhei levei minha primeira lambada, sim de perfeitinho não teve nada, além de um término frustado pro meu filho, alguns dias de sofrimento, onde todos nós de casa estivemos envolvidos.
E depois veio o amadurecimento e as lembranças que me fez ver que eu ja havia passado por aquilo, o pai também, e todo mundo no mundo passa, ou seja, tipo de sofrimento que a gente quer polpa-los, mas ha um limite que não vemos de onde queremos ir e até onde podemos ir, é uma linha bem tênue e quase imperceptível.
Após o primeiro baque  sofrido, lembramos que era preciso prosseguir, e no fim o que conta é que a gente quer ver o sorriso no rosto de nossos pimpolhos de novo.
Não demorou muito ele me apareceu com a namorada nova em casa, ok eu confesso, na primeira vista ela não se encaixava nem de longe no que eu sempre busquei pra ele. Percebi nesse momento que eu tinha vários preconceitos com algumas coisas, como o tipo de liberdade que ela possui dentro da casa dela, tanto pela calma em finalizar os estudos que ela apresentou e apresenta,e até com o palavreado e a forma descolada que ela conversa.

Ok, passado o segundo grande baque, me contive em bater de frente, me contive, porque cheguei a plena conclusão de que a gente não sabe nada sobre a vida,  e muito menos sobre as pessoas, e que nosso, ou melhor meu sistema de julgamento se é assim que posso chamar esta a anos luz de distancia de uma perfeição.
Claro que tenho muito claro e estabelecido comigo meu sexto sentido, meu olhar maternal, e procuro sempre dar muita vazão a esse tipo de energia que emana  de dentro de mim, se tem uma coisa que aprendi foi me ouvir e isso também contribuiu imenso para a minha mudança pessoal, e me tornar o que sou hoje principalmente como mãe.
Embora essa  segunda namoradinha não se enquadre dentro dos padrões que eu achava ideal,  colocou no rosto do meu filho um sorriso enorme, e vejo a felicidade estampada no seu olhar, então até aqui esta tudo certo, tudo caminhando, porque no fim é isso que conta né.
Ai vem a vez do mais novo, certa vez, um tempo atras ele me  dizia que se achava meio ''estranho'' porque até na missa eu tinha o pai ao meu lado o irmão a namorada e ele sozinho, expliquei que era parte do pacote em crescer e que chegaria um dia que ele também teria um par.
Acontece que tento ser participativa, incentivo encontros, levo as festas e busco, sempre procurei ser legal dentro dos meus limites, porém com ele algo sempre foi diferente, ele nunca conseguiu firmar um relacionamento um pouco mais sério como o irmão, as garotas saiam com ele uma, duas vezes, e então não rolava mais nada, ok que por ele ser novo ele devia mesmo era curtir essa fase do ficar, mas nesse ponto eu não sei o que acontece com minhas crias, mas ambos falam sempre em relacionamentos sérios, até ficam, mas não demora e acho que ja quer levar a mocinha em casa, ai o negocio desanda.
Bem eis que ano passado, apareceu no nosso condomínio uma moça de 24 anos, tia de um dos amigos, bonita, legal, simpática, topava jogar bola e video game, uma moleca no corpo de uma  mulher.
Meu filho mais novo, hoje com 17 e na ocasião com 16, desde muito pequeno foi o tipo de garoto que sempre se deu bem em participar de qualquer atividade, e eu dizia entre mamando a caducando, porque os meninos bem mais novos batiam na porta de casa chamando ele pra jogar uma bola, como os de mesma idade, como os mais velhos, apelidamos ele uma época de politico, porque se entretinha com todos, e não é porque é meu filho, mas não ha quem não goste do garoto, de um sorriso expressante de luz e cheio de vida tem assuntos diversos, e pode participar sobre qualquer roda de conversa sem parecer ignorante....
Mas voltando que não vou ficar rasgando seda pra ele né.... essa tia, que virou amiga, começou a aparecer com certa frequência la no condomínio, todos os dias, no fim da tarde durante a semana porque trabalhava, e de fim de semana ficava quase que o fim de semana inteiro por la.
Chamava os meninos pro cinema, e quando eu digo meninos era toda a galera incluindo os sobrinhos, era de fato uma moça doce, porque obvio eu fiz questão de conhecer....
Porém eu senti meu filho demasiado interessado na presença dela e comecei a comer pelas bordas, e ai colhi as informações de que sim, ele gostava dela, e de que sim, eles trocavam mensagens (as quais eu verifiquei do que era a pauta do assunto, e nada que ultrapassasse coisas de namoricos, como: ''estou com saudades'', ''você vem hoje?'', ''podemos ir na sorveteria?'' nada demais.
E foi ai que soube que ela tinha um namorado, mas me perguntei onde o namorado andava quando nos fins de semana ela passava parte do dia com os garotos, resolvi que precisava conversar com ela e foi isso que fiz, subi um dia na quadra chamei ela pra um bate papo, expliquei que sabia das coisas e conversas, que meu filho havia me dito sobre os sentimentos e que eu sentia que de certa forma um tipo de esperança ela havia dado a ele.
Conversa vai....conversa vem, ela me confidenciou que estava muito atraída pelo meu filho, que ele é muito maduro pra idade dele, diferente até mesmo dos sobrinhos que não possuíam  conteúdo para conversas inteligentes entre duas pessoas,que conversar com eles era algo chato.
Eu respirei fundo, e fiz de conta que estava ouvindo a coisa mais natural da vida, não que não ache meu filho inteligente, mas assusta ouvir isso de outra pessoa que esta com uma visão diferenciada, não quis ser indelicada mas precisava perguntar sobre o namorado, e se ela tinha uma certa noção sobre as coisas que incluiriam ela ter qualquer tipo de relacionamento com meu filho, ele um adolescente estudante e ela uma mulher com trabalho  e formada.
Eu fui clara disse a ela que não achava saudável, e que ela sendo mais velha, deveria se sentir estranha com tal possibilidade, ela me respondeu: '' tudo que tiver de ser, sera, hoje, ou amanhã, se eu tiver que esperar eu espero!''
Garanto que eu devo ter ficado branca na hora, mas mantive a postura e respondi: ''olha a sociedade não vai ver com bons olhos entende, a diferença de idade é grande, e enfim, ele não é nem mesmo responsável pelos próprios atos, embora seja maduro como você diz, mas perante a lei e sociedade ele é só uma criança, e eu gostaria que você se afastasse dele''. Eu coloquei toda a culpa na sociedade, mas na verdade hoje eu assumo era tudo eu quem achava cada uma daquelas coisas!
Ela me respondeu que eu tinha razão, mas que a sociedade era muito equivocada e se fosse o oposto, se fosse ele a ser mais velho que ela a sociedade não veria mal nenhum. Naquele momento eu vi que de fato ela tinha razão, mas não concordei, seria voltar atras e isso eu não ia fazer e então ela prosseguiu me dizendo, para que eu não o proibisse de sair, que as ferias estavam acabando e que logo a rotina de todos voltariam ao normal, e que ai de maneira bem sutil ela iria se afastar e que isso seria menos doloroso para ambos, ou para ele.
Eu concordei, fui pra casa e conversei com meu marido,e nesse momento cheguei a conclusão que sempre vivemos num mundo lotado de preconceito de muitas formas de muitas coisas!
Bem o tempo passou e a danadinha fez o que prometeu saiu da vida dele tão sutil quanto falou, e eu fui grata porque não vi no meu filho nem um sinal de sofrimento, saudade as vezes, mas não sofrimento.
Passou o tempo e eu vendo meu filho tentar muitos encontros com as garotas da idade dele, mas nada dava certo, levava um bolo atras do outro. Um dia enquanto ele me ajudava recolhendo as roupas eu perguntei se ele longe de nós era muito chato com as garotas, porque ele marcava encontros e ai um dia antes eles eram desmarcados um atras do outro com garotas diferentes, perguntei se ele ficava muito no pé, afinal ca entre nós o cara é bonito, bom papo, gosta de praticar esporte, inteligente, bem humorado, gosta de ajudar, então tipo na minha visão eu na idade dele gostaria de conhecer um mocinho como ele.
E ele me disse que as garotas da idade dele são muito superficiais, fica em cima de  status, medindo os garotos em cima da marca de roupa ou calçados que se usa, me disse que as meninas da idade dele curte sair com a galera pra fazer as coisas erradas como beber, fumar, baladas, e ele curte cinema, andar de skate, bicicleta, fazer uma caminhada, trilha e stand up, jogar video game ou volley na quadra do clube, e então por isso, ele não conseguia passar da fase de combinar encontros...
Expliquei que as meninas amadurecem, mas no fundo estava espantada por ver que muita coisa ainda permanece como era, e até mesmo em estado piorado,e comecei a pensar quando foi que as mulheres que sempre foi dito que amadurecem antes mesmo dos garotos, deixaram para traz, pra se tornarem seres tão superficiais?
 No fim do ano passado fui busca-lo na saída de uma gincana e na porta vi as meninas saindo, era tanta maquiagem no rosto, que com certeza cheguei a conclusão que elas devem ter mais maquiagens que eu em casa, na verdade que elas ja haviam usado mais maquiagem do que  eu na minha vida toda com certeza, e isso era meio dia, e elas haviam chego la as 7 da manha, ou seja, a que horas essas criaturas acordavam pra se maquiar daquela forma? Comentei com meu filho, e ele disse: ''você não viu nada, em dia de educação física, elas chegam pra aula de um jeito, todas maquiadas, apos o almoço para não correr o risco da maquiagem se desintegrar com o suor, vão limpar o rosto, quando voltam nem parece as mesmas meninas, a gente até confunde!!''.
E eu percebi de novo que eu não estava sabendo nada do que estava rolando nesse mundo teen dessa era!
Bem após alguns encontros frustados, meu filho estava mais tranquilo levando a vidinha dele de sempre, quando eu percebi ele demasiado animado para academia, ele sempre gostou, mas sabe quando você sente um ''q'' diferente, era isso que eu sentia, a animação dele ia além da possibilidade de ir malhar e ir fazer o Muay Thay, era uma animação quase palpável, até que um dia, um pouco antes das férias de fim de ano, entre uma conversa e outra no caminho de volta na academia meu filho mais velho veio com a noticia: ''mãe sabe aquela moça, assim, assim, assado, que faz Muay com ele?''
Eu respondi que sabia sim, e perguntei o que que tinha ela? A resposta veio assim na maior naturalidade:
'' Então o E. ta pegando ela?''

Pegando ela? foi a pergunta que saiu  de imediato, eu estava dirigindo, e soube naquele momento que se fosse em outras épocas teria freado o carro bruscamente e até podia ter havido a chance de um acidente, mas de dentro de mim veio uma calma surreal, eu sabia, quem era a moça, e eu sei o que é pegar na linguagem de hoje, eu acho que só queria ganhar tempo, e no fundo talvez estar enganada, ou com  a pessoa ou com o termo pegar.
É mãe, ficando! Meu filho quis esclarecer,  eu olhei pelo retrovisor e o sorriso enorme tipo do coringa sabe, atravessou o rosto dele de orelha em orelha, e eu disse:

Ela é um pouco mais velha que você, não é?
kkkkkkk(foi a gargalhada do meu filho mais velho) mais velha?? Fala ai E. pra mãe a idade dela!
- 28! -
Eu respirei fundo, na verdade eu não imaginava que ela tivesse mais que 22 , carinha de nova, faz Muay thay, esta sempre com a moçada na academia incluindo meu filhos e os amigos da mesma idade, ouvir 28 anos me assustou afinal ele ainda tem 17 e so completa 18 no fim desse ano,mas isso me fez ver como julgamos as pessoas sem conhecer, pelo o que vimos de fora, deduzi pra ela uma idade em cima das coisas que tinha acesso.
O resto do trajeto foi em silêncio, acho que ambos sabiam que eu precisava de um espaço, cheguei em casa e fui pro banho ao que em alguns minutos eu la lavando minha cachola pra esfriar e tentado ver como proceder, meu marido veio me perguntar:
'' Você viu que seu filho esta saindo com uma mulher velha?''
E dai? foi o que respondi. Ele me olhou no minimo espantado e disse que eu estava mudada, se fosse em outra época tinha entrado arrastando ele pelos cabelos, feito um escândalo e tals.
Eu respondi que estava analisando e que não tinha nada definido que ia ver o que ia fazer, porque nosso preconceito é tanto  que querendo ou não, nem sempre agimos de acordo.
Eu remoí dentro de mim a situação, pensei em tudo que me foi possível, em todas as atitudes cabíveis ou não, pesei muitas coisas, me agarrei em algumas e dispensei outras, tentei ver com outra forma, e cheguei a conclusão  de que nada que uma boa conversa não resolvesse a questão ou pelo menos colocasse as coisas bem as claras.
Fui pra academia e chamei a moça, falei pra ela que foi um choque, que era estranho para mim, e perguntei se não era estranho para ela, e ela me afirmou que foi quando tudo começou, mas acreditem ela me disse a mesma coisa que a outra sobre ele ser muito maduro pra idade dele, e eu fui obrigada a dizer que ja havia ouvido aquilo antes!
Enfim deixei claro o que eu achava, o que não significa achar certo nem errado, apenas desconfortável na minha visão e pele de mãe, mas que ficava feliz por não ser a ultima a saber,perguntei se ela estava preparada pelo tipo de preconceito que esse tipo de namorico pode trazer e ela disse que não se preocupa com a opinião das pessoas estranhas, mas que se preocupava com a minha opinião e com a opinião do pai dele, e que não queria causar desconforto. Cheguei a conclusão que não ia proibir nada, nem pedir que ela se afastasse, que ia deixar a coisa fluir, cedi um pouco de corda, fui clara no que ele poderia oferecer a ela no momento, e deixei claro que se não fosse o bastante que talvez ela devesse repensar e achei que com isso estava jogando um balde de água fria, mas foi um tolo engando, comentei com ele sobre a conversa e tive com ele a mesma mas em outro nível, e também nenhum efeito que pudesse finalizar tal relacionamento.
Mas de ambos vi uma vontade incrível de aproveitar esse momento, e até senti a leveza neles, quando de fato eles puderam se assumir, porque não ha ninguém mais que eles precisam se esconder, ja que ela é responsável por si, e nós que somos ainda responsável por ele, o apoiamos como pais, sem deixar que alguns valores se percam, afinal valores não estão ligados a idade, mas ao respeito, a criação e ao caráter de cada um.
Estamos tendo a oportunidade de conviver um pouco mais com ela aos poucos, e agora eu e  meu marido so queremos mesmo no fim saber quão maduro ele é, ou quão infantil ela possa ser a ponto de estarem assim tão feliz um com outro.
Eles malham junto, fazem a luta, andam de skate, jogam video game, e não vivem aquele frenesi louco de adolescente de ficarem se amassando até porque isso sempre aconselhei ambos que não é coisa que se faça.
Pode parecer estranho, mas de certa forma me sinto tranquila, e vejo que os maiores obstáculos desse relacionamento quem vai ter que ultrapassar cada barreira serão eles, meu papel é estar aqui, aconselhando, e a disposição pro que precisarem e quando precisarem.
Fora isso as vezes uma coisinha ou outra tenta tomar meu pensamento, mas respiro fundo, analiso e se percebo um fundo de preconceito ja não dou enfase, despacho logo e trato de seguir em frente, porque eu não sou perfeita e nunca serei e não posso exigir que ninguém o seja, apenas estar a disposição para meus filhos em todos os momentos que eles permitirem que eu faça parte, eles sabem que estou aqui pro que der e vier, mas eu sei que não é pra tudo que eles me querem colada no pé deles!
Mas minhas mãos estarão aqui para pegar na deles sempre que possível!
bjucas soOonhadoras e cheias de aprendizado pra vocês!!!





segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Vencendo um vilão, ou será uma vilã? De nome açúcar!




Não é mais um papo de quem esta de dieta, até porque eu ja sei bem a diferença entre dieta e reeducação alimentar e eu me enquadro nessa segunda opção hoje.
Eu me lembro aqui em um post antigo meu, onde falei sobre uma artigo que eu li, onde uma artista famosa oferecia ao seu filho uva passa, e o filho achava que aquilo era bala. Na ocasião eu não entendia muito bem, o porque uma mãe não podia de vez em quando oferecer ao seu filho um doce, um pirulito ou uma inofensiva bala que fosse.

E pensei assim 40 anos de minha vida, 40 anos e uns meses pois a singelos 10 dias  estou sem consumir nenhum tipo de alimento que contenha açúcar, a não ser frutas que tem açúcar na sua forma original, nada de refinados, orgânicos ou qualquer outro tipo de adoçante dietético de nenhuma especie.
Sempre fui uma pessoa que gostava muito de doce, qualquer um, e sempre dizia se tem açúcar ja esta bom.
Eu não tinha noção que era uma dependente desse ingrediente, eu não sabia que para mim o açúcar era como uma droga, era ali que eu depositava todas as minhas alegrias e minhas tristezas, mas não sei ao certo, mas depois do clique que citei no post anterior, mudei minha visão e percebi o quão mal eu fazia a mim mesmo e o quanto estava equivocada com certas coisas.
A culpa sempre foi minha por não me permitir ter outras opções, na verdade eu nunca quis, acho que isso acontece com todo dependente, no caso do açúcar não era diferente. Me sinto mais poderosa agora que percebi que eu era uma pessoa doente pelo doce!

Na verdade os dois primeiros dias foram mais complicados, e os últimos 3 agora estão sendo meio chatinhos, porque estou na fase pré menstrual o que acaba fazendo nosso corpo querer um docinho, mas estou sobrevivendo bem tranquila.
Controlando minha ansiedade e conseguindo dominar minha mente, com pensamentos entusiastas, e cada doce que recuso eu penso na sequencia: ''um chocolate'' mais próxima da minha meta, ou '' um brownie mais próxima da minha meta'', ou ''um sorvete'' mais próxima da minha meta...,e por ai vai, assim recusando doce por doce uma sensação de vitoria toma conta de mim.
Hoje eu sei que se a gente se propor, a gente consegue,somos todas capazes.
Tem gente que diz que tem de ser aos poucos, se você come todos os dias, corte aos poucos, na primeira semana coma por 5 dias, na segunda coma por 4 , na terceira coma por 3 e assim ate chegar na semana que não comera nenhum.

Mas eu não!, eu cortei mesmo, logo no primeiro dia que me propus, me lembro que um dia antes passei na padaria, comprei um sorvete e tomei ele, pensando durante todo  tempo, você sera meu ultimo doce em muitos meses que se seguirão a frente!
E assim estou eu, aquele foi meu ultimo doce, em todos os aspectos... a e se estão se perguntando no caso dos cafezinhos, chás, se eu adoço com adoçante, a resposta é não, nenhum adoçante de nenhum tipo, café puro, purinho...Sucos, nem light, nem diet, que são cheios de açúcar com outros nomes, se quiser um suco, opte por um natural ou uma boa polpa com água apenas isso.
Tem uma garotinha que eu sigo no instagram junto com seu cachorro, e a mamãe dela filmou ela varias vezes lanchando um iogurte natural, desses que não tem nada de adoçante ou açúcar, a garotinha comia aquilo que se esbaldava e eu perguntava, como ela conseguia, hoje eu sei que é de pequeno que a gente aprende a trabalhar o paladar e sentir o verdadeiro sabor dos alimentos, eu aprendi, hoje também tomo meu iogurte in natura, não preciso por mel, não preciso por nada, quando muito uma granola, especial que também compro sem açúcar!
Ou seja minha gente de doce aqui mesmo só a vida e esta doçura ja tem me bastado por esses dias!

Grande bjucas soOonhadoras e doces, porém um doce sem nenhum açúcar eu garanto!

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Me sinto como? Uma fenix!




Na ultima semana é bem assim que me sinto, alguém que pela primeira vez em muitos, muitos anos, começou a querer melhorar em alguns aspectos não pelos outros, mas por mim mesmo, pelo que eu posso atingir, pelas metas que posso conquistar, pelas coisas que posso atrair para mim e trazer a mim mesmo benefícios.
Por isso me sinto uma fênix, por longos anos fiz muita coisa pelos outros, mas nunca tive resultado que valesse a pena, porque por mais que eu desse meu melhor, eu não havia percebido que meu melhor eu so devo dar a mim, unica e exclusivamente.
Partindo do principio que por muitos anos uma coisa foi muito difícil para mim.... perder peso!
Tive altos e baixos, passei por dietas, remédios, e ha 21 anos eu nunca tive um resultado ótimo, nos últimos anos eu tive alguns bons resultados, mas não era o resultado que eu queria, eu estava em busca do resultado que meu marido gostaria, que a mídia ditava, mas para mim no fundo estava bom como estava, nunca tive falta de amor próprio, e nem tive neuras, sempre me aceitei bem, e nunca deixei de comer um doce por causa de dieta.
Mas eu não sei, descobri uma nova nutricionista, passei numa consulta, e de la sai com um clique!, Foi como se a conversa com ela tivesse ativado uma chave dentro de mim, que ninguém nunca conseguiu ativar, ou não sei se eu nunca havia permitido também!
Mas enfim, depois da consulta sai determinada a mudar meus hábitos, até porque ela não me passou uma dieta, ela me passou uma lista para me orientar, e em nenhum momento da consulta me disse não coma isso ou aquilo, apenas me disse  o que deveria evitar.
Faço academia desde 2014, nunca mais fui sedentária, pratico corrida, na verdade estou retornando depois de uma lesão. Então eu precisava mesmo era apenas acertar esse lance da alimentação, e pela primeira vez fiquei empolgada com o que me foi oferecido, sem remédios, sem restrições, apenas algumas dicas e uma alimentação mais natural possível foi o que recebi.
Eu sempre fui ''doçolatra'' nem sei se a palavra existe, mas essa era uma verdade que me acompanhava por anos, hoje comemoro singelos 4 dias, sem nenhum tipo de doce, nem açúcar, a não ser a que vem das frutas, pois eu comia no minimo um doce qualquer todo dia!
E me sinto extremamente feliz que nem consigo expressar o quanto!
E o melhor pela primeira vez estou em busca de perder um pouco de peso, mas penso nos benefícios que vou adquirir para mim mesmo, pela primeira vez não pensei nos terceiros, na verdade eu nem quero saber o que eles pensam.
Pela primeira vez coloquei metas para mim, e não quero de forma nenhuma 'burlar'' a mim mesmo, que era sempre o que eu fazia.
Pela primeira vez entendi a diferença entre dieta e reeducação alimentar.

Não tenho me sentido forçada a nada, mas tudo que tenho feito tem me trazido uma paz interior tão grande, uma serenidade.
Sei que leva alguns meses para me ajustar, pro meu corpo entender, e esta tudo bem, porque eu vivi muitos anos em prol dos outros e estou muito disposta a a viver muitos mais em prol de mim mesmo agora!!!
Tudo é possível, achar o ponto de equilíbrio, e fazer dar certo, basta querer e eu quero por mim!
E é de mim que estou tirando tirando toda força necessária. Ninguém vai fazer por mim, aquilo que so eu posso fazer!
Bjucas soOonhadoras e cheias de vida pra vocês.

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

EDUCAÇÃO, ONDE COMEÇA E COMO?

Mais uma ano se inicia, e com ele tenho muito conteúdo que eu gostaria de compartilhar por aqui, vou tentar ao máximo me expressar por aqui ja que a troca de experiencias pode sempre trazer mais informação e informação nunca é demais!
Quando se fala em educação, ha um leque enorme onde essa palavra se engloba, pode ser a educação escolar, pode ser a educação social, pode ser a educação familiar, infantil e poderia ficar aqui por algum tempo até conseguir listar todos os tipos em que a educação se encaixa.
Mas vou partir do principio da educação daquela que chamamos de berço, e hoje em dia tem sido berço literalmente. Ta me acompanhando?
 Ja explico!

Acontece que quando um bebê nasce, muito do que ele vai ser, vai depender do que a ele sera ensinado no decorrer de sua vida até conseguir caminhar com sua próprias pernas e se expressar com suas palavras, e para chegar até ai, os pais são o caminho que o conduzirão.
Tenho dois filhos, rapazes na verdade, meu filho mais velho terminou a faculdade esse ano, olho pra ele ja com barba na cara e me orgulho o tipo de homem que ele se transformou, parte pelo que ele é, mas parte pela educação que recebeu em casa.
O meu filho mais novo, vai pelo mesmo caminho, não são porque são meus filhos, mas em uma analise geral e por conhecer pessoas que também tem filhos na mesma idade ou parecidas, sei que tenho muito do que me orgulhar.
Papel de pai e mãe não são nada fácil, a gente não tem manual de instrução, então a gente conta com os capítulos da vida alheia pra se guiar, para ter um parâmetro.
Geralmente nossos pais, e avós acabam sendo um ponto de referencia bem marcante.... alias eram, ha uns anos, para muitos papais de primeira viagem o ponto de referencias, são os pediatras, sim aquele medico que acompanha o crescimento, vacinas, peso etc. Um estranho que a gente escolhe, por indicação, por sorte, por simpatizar, por que cuidou do filho de sicrano e beltrano e é bom médico!
Não tenho nada contra, acho mesmo necessário, ter alguém de confiança para cuidar desses assuntos médicos, mas criação e educação, não é um assunto médico para terceirizar, porque esses profissionais não recorrem a terceiros para educar suas crias com certeza, fazem partindo do principio do que aprenderam, estudaram e muitos não fazem o que pregam.
O que quero dizer que os papais jovens tem achado com certa frequência que seus papais estão defasados no modo educação, que eles estão desatualizados sobre criação de crianças.
Digo isso, pois acompanho uma grande quantidade de mamães e papais de primeira viagem, e nos bate papo percebo que pais e avós nunca são consultados, ''estão velhos'', é o que ouço com mais frequência.
É certo que os tempos mudaram e a gente tem que se renovar, mas ha valores que acredito permanecer pela vida toda.
Hoje em dia a educação parte de que a criança deve passar parte do tempo chorando até cansar e dormir por conta no berço, isso vai ensinar que ele não vai ter colo a hora que quiser, e vai dar tempo pra mãe fazer algumas coisas do seus afazeres de casa.
Parto do principio que as crianças crescem e antes mesmo que a gente se dê conta se tornam moças e rapazes, e tudo o que a gente gostaria as vezes é que eles pedissem um colinho.
Vejo pais cansados e sem paciência, esgotados, o que ca entre nós no primeiro ano de bebê em casa é super normal.
O que ninguém nunca comenta é que isso passa, assim como tudo.Cada encanto de cada fase passa, e ai muda a magia do mundo entre pais e filhos.
Cada fase traz seus apertos, medos, erros e acertos, faz parte do ciclo.
Porém sou muito contraria as teorias atuais sobre como e o que, fazer com um bebê.
Me lembro que assim que meu filho nasceu, a minha vó o embalou em um cueiro ficou parecendo um casulo,
era exatamente assim que eles ficavam por dois meses quase ate estarem durinhos!!!

me ensinou como fazia, e ai de mim se não o fizesse, foi para mim uma das melhores coisas que minha vó me ensinou, a segunda coisa foi dar chá para meus meninos a partir dos 10 dias de nascido. Naquela época a pediatra do meu filho ja era contra as muitas dicas da vovó, mas entre ela e minha vó optei por ouvir minha vó e não me arrependi.
Enfim eu sei que cada um é cada um, mas sou grata aos ensinamentos que minha vó me passou, afinal ela pariu 10 filhos em casa, nunca precisou de médico lhe dizer o que fazer, os ensinamentos, a educação de uma mãe se passava de uma para outra!
Penso mesmo que chega a ser como em qualquer âmbito profissional, um administrador recém formado, mesmo que feito a melhor e mais atual faculdade nunca vai poder competir com aquele administrador que ja esta  ha 20 anos na empresa.
Dosar é a palavra chave, porém, deixar as dicas de criação de um filho para um estranho, que nunca me viu, mal me conhece é para mim algo assustador.
Vamos aprendendo, pais e filhos no dia-a-dia, dicas da vovó ou da mamãe são as melhores, pois além de terem visto a gente crescer, pode identificar muito de nós nos nossos filhos, e ajudar-nos ajustar muitas coisas com base nas referencias que elas conhecem, um estranho não sabe nada sobre nós, nossa historia, nossos medos,nosso desenvolvimento, sobre nossa educação, o que nos levou a chegar onde chegamos, a ser o que somos!


Bjucas soOonhadoras, com cheirinho de vó pra vocês!

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Meu 40º Natal....

O natal ja foi para mim uma época das mais esperadas, eu disse ja foi, mas me dei conta por estes tempos que ainda é!
A época de Natal sempre me cheirou a férias, especialmente porque nessa época é quando parece que conseguimos nos reunir em casa com os filhos de forma a aproveitar com ainda mais encanto alguns dias, sem pressa, sem neuras de nenhuma especie, apenas aproveitar a época das festas de fim de ano.
Lembro-me na época de adolescente, a maior alegria era ir na casa de amigas, um pouquinho na casa de cada uma, comer dos quitutes que haviam e  apos a meia noite andar pelas ruas do bairro cumprimentar os conhecidos e vizinhos,e com um pouco de sorte achar aquela paquerinha e conseguir um beijinho de feliz Natal. Afinal não era todo dia que a gente conseguia andar pelas ruas após a meia noite isso na época dos meus 14/15 anos era ter um tipo de alvará, poder ficar na rua com as amigas até depois da meia noite.
Depois veio a época de namoro, me lembro do primeiro Natal que passei com meu namorado que hoje vem a ser meu marido, foi legal, mas a memoria me pregou uma peça e não ha na minha mente nenhum detalhe que me reaviva essa lembrança de forma muitíssimo especial. E então entre os 16 anos até meus 22 acho, me lembro apenas da vontade imensa de ter uma arvore de natal, por conta do meu filho, achava mesmo importante reavivar nele essa coisa de Natal, Papai Noel e tudo que inclui essa época, mas essa data começou a ser mesmo especial quando ele ja tinha uns 5 anos, foi o primeiro Natal que eu comprei um pinheiro de verdade, bolas, pisca-pisca, e enfeitei, junto com algumas vizinhas arrumamos um senhor que se vestiu de Papai Noel e foi nas casas levar os presentes, foi magico! Foi o primeiro ano que reuni minha família e a do marido e festejamos, o pessoal dormiu em casa, e foram dois dias de festas bem intensas...
Desde então, sempre quiz que os Natais fossem sinônimos de família, não de reunirmos com as respectivas nossas, mas de estarmos nós 4 juntos.
Por ser época de ferias, geralmente passamos uns 10 anos viajando nesta época, mas desde o ano passado, temos ficado por aqui, confesso que por uma força maior, que é financeira, não conseguimos planejar nada, e de novo esse ano a ceia e a comemoração desta data sera na minha casa, reunindo a minha família e a do marido de novo.
Muitas vezes a gente não entende bem as coisas, e até não estamos dispostos a ver as coisas como tem que ser vistas, mas por esses dias parei e pensei, e acho que foi a forma que Deus achou para me mostrar que é importante manter certos laços, ja que eu julgo essa época tão importante de modo que tenho que estar com meus filhos, então porque nossas mães não tem os mesmos direito de nos manter por perto nem que seja nessa época do amor onde a palavra família passa a ter um peso bem maior.
Na verdade em casa coisa importante mesmo é a família, mas nessa época sinto que ha uma necessidade de expansão de família, onde os muros do meu lar tem que ser derrubados dando lugar ha outras famílias, e assim formarmos uma grande família, unida com amor e respeito, mesmo que seja por apenas nessa época, é uma forma de renovar nossos laços, de dizer que estamos aqui e como cada pessoa é importante para nós!!!
Bem finalizo aqui esse ano, aproveitarei minhas férias e volto ano que vem, e cada uma que aqui me acompanha deixo meu imenso abraço de Natal, desejo que o dia seja muito especial e que vocês estejam com todas as pessoas que são de fato especiais para vocês.
Um Feliz Natal e um 2018 de muitas realizações!!!
Bjucas ainda mais SoOonhadoras pra vocês....afinal não ha época mais sonhadora que o Natal!

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

O MELHOR DE TODOS OS SENTIDOS

Com certeza,  poder enxergar, tocar, são sentidos maravilhosos, poder sentir sabores é muito bom.
Mas o sentido que mais aflora em mim minhas emoções e lembranças é o olfato.
O olfato nos leva de volta ao passado nas melhores e as vezes nas piores lembranças em questão de milésimos de segundos.
Fala a verdade tem coisa melhor que acordar com cheirinho de café???

E uma mesa de café da manhã com todos aqueles aromas  misturados de  pães, frutas, leite quente, achocolatado, bolos....

Muitas vezes a gente pensa que não esta com fome mas basta um cheiro de uma comidinha caseira invadir nosso nariz e pronto a fome bate como cometa no estomago!

Agora vai chegando fim de ano, época de festas, nada como um bom lombo de porco assando no forno pra gente lembrar que opa é Natal!!! isso pode acontecer em qualquer época do ano na verdade, mas cheiro de lombo assado pra mim tem cheiro de natal, portanto quando faço em qualquer outra época do ano é um natal fora de época pra mim!

Para apreciadores de vinho e mesmo eu que conheço muito pouco, poder distinguir os aromas vindo deles, como terra molhada, chocolate e até pimenta chega a ser quase mágica! Mas é preciso treino!

Eu tenho na memoria muitas lembranças dos meus filhos quando pequenos, porém, muitas delas eu nem sei que possuo, mas basta um cheirinho em especial, e sou capaz de lembrar de coisas sobre eles que eu pensei jamais poder ter lembrado.
A mesma coisa acontece com algumas situações do meu casamento, quando tento lembrar de certas coisas, certos momentos e não consigo tenho a consciência que basta o cheiro certo e a lembrança vai surgir tão certa como 2+2=4!
Toda lembrança tem um cheiro, tem gente que guarda suas memorias com canções, as minhas todas são cheiros... sera que mais alguém é assim?
Bisnaguinha com manteiga e suco artificial de laranja me leva na hora do recreio no meu primeiro ano de colégio, e através desse cheiro posso lembrar do nome da professora.....
O odor do mato molhado misturado com esterco de cavalo(isso mesmo gente coco), me lembra os melhores fins de semanas da infância quando ia pro interior com minha vó na casa dos tios.
O perfume de lavanda me leva ao inicio da minha adolescência, poque meu primeiro perfume se chamava Lavanda Pop da Boticário e eu nem sei se existe ainda.

Cheiro de bolo assando me lembra a minha vó, mas não é cheiro de qualquer bolo, é cheiro de bolo simples, bolo de bolo sabe, sem ser chocolate, fubá ou cenoura, apenas bolo.

Frango com coentro e macarronada com bastante cebola no molho e ervilhas me lembra os almoços de domingo que minha vó fazia. odeio coentro mas o frango dela era incontestável de bom.

Depois tem o cheiro do creme Johnson que minha tia usava, me lembro dela de toca no cabelo.

Tem o cheiro de um determinado shampoo que me lembra meu marido no inicio do namoro, e alguns cheiros de cigarro também, porque na época fumava. Alias o cheiro de cigarro misturado a bala halls me lembra os beijos nele.
Lembro do cheiro do dia do meu casamento, do dia que meus filhos nasceram, da primeira vez que vi o mar, da primeira viagem de avião, dos parques da Disney, de Fernando de Noronha, basta eu fechar os olhos e só pensar em algo que os cheiros, todos eles vem, e as vezes o cheiro vem primeiro e as lembranças na sequencia.
Agora trabalhando mais perto de casa tenho a oportunidade de ir almoçar em casa, e andando pelas ruas, sinto o cheiro de bife nas casas,

 do alho dourando pro arroz

 da roupa limpa no varal 

e tenho me recordado todos os dias de quando menina, vinha da escola para casa de a pé com as amigas e sentia todos esses cheiros pelo caminho...

Os cheiros trazem muitas lembranças, carregadas de saudade, eles se vão mas a saudade fica!

E Você qual o cheiro que te traz boas lembranças?

*Todas as imagens foram tiradas da internet

Bjucas soOonhadoras pra vocês e cheias de boas lembranças carregadas dos melhores cheiros!

terça-feira, 31 de outubro de 2017

SERA O FIM DO UBER NO BRASIL?

É gente aqui não ta fácil não ne´?!
Quando se conquista certas ''regalias'' o nosso amado governo sempre da um jeito de podar nossas pernocas...
Digo isso porque depois de algum tempo que conseguimos nos familiarizar com os aplicativos de transportes particulares como uber, cabify entre alguns mais novos, saiu uma tal de PLC28, onde esta em votação uma lei para ''registrar'' esses prestadores, ou seja, transforma-los em táxi.
É muito difícil ver que quando pessoas estão tentando sobreviver a crise que esta pegando sem freios este país, onde pessoas estão tentando ganhar seu pão de cada dia, ha aqueles que ja no poder ganhando seus fartos salários acham um meio de ganhar mais. Sim porque se esta faltando dinheiro no município é que parte do recolhimento vai para não sei onde.... ou sera que sei?!
Sabemos obvio, uma avalanche de impostos...paga-se para comprar, paga-se para vender...e quando aparece algo em que eles não estão ganhando nada em cima, pronto, eles mexem os pauzinhos e dão um jeito...tomara que não de certo, tomara que isso não va pra frente, porque estava tão bom e é tão fácil ter esse tipo de prestador de serviço a nossa disposição, com valores realmente justos....
O jeito e aguardar e torcer para que não dê em nada isso.




Bjucas amigas

Obrigada por me acompanharem!